Rua Ildefonso Alvim, 501 - Nova Floresta Belo Horizonte (031)3444-1955 google-plusGoogle-Map-LogoCSMA youtubefacebook-icon

Quem Somos

História - Colégio São Miguel Arcanjo
Colégio São Miguel Arcanjo
Em julho de 1950, sendo Provincial da Província de Vascônia (Espanha), o Rev.mo. Pe. Juan Manuel Diez Santa Creu; dirigindo os destinos da Ordem dos Clérigos Regulares Pobres da Mãe de Deus das Escolas Pias, o Rev.mo. Pe. Vicente Tomek; sendo o Ex.mo. e Rev.mo. Sr. D. Antônio dos Santos Cabral, Arcebispo de Belo Horizonte, e sumo Pontífice da Igreja o Papa Pio XII, foi enviado a esta cidade o Rev.mo. Pe. Francisco Orcoyen Baquedano, para tentar a 1ª fundação dos Padres Escolápios no Brasil. O referido padre iniciou suas atividades sacerdotais como capelão das Madres Escolápias do Colégio São José, situado à rua Bueno Brandão 151, no bairro da Floresta.
Primeiros reforços:
Entre novembro de 1950 e janeiro de 1951, chegaram ao Brasil os padres: Eulálio Lafuente Elorz, Pedro Cenoz Senosiáin e Jesus Perea Urabayen, e o Irmão Juan Odría Orbea, os quais ajudados pelo Pe. Américo Taitson, pároco da paróquia de São Sebastião, Barro Preto, ex-capelão das Escolápias viveram por algum tempo na Casa do Padre, que naquela época funcionava ao lado da referida paróquia, na Av.Augusto de Lima, até que se instalaram, pouco tempo depois, na Av. Tocantins (hoje Assis Chateaubriand), 499, Floresta, exatamente onde está hoje o Teatro Alterosa. Daquela época só resta o murinho de arrimo, que conserva toda a sua consistência. Ao ver as obras construídas naquela época, dá vontade de gritar: “Não se fazem pedreiros, nem muros, nem casas, como antigamente!”.
Primeiras “Escolas Pias”:
No início do ano escolar de 1951, de fevereiro a março, o Ginásio São Miguel começou quase como o Santa Dorotéia, com alunos saindo pelo ladrão por falta de espaço, pois havia alunos de jardim (pré), o primário completo e o curso de admissão. Era uma casa de sobrado, com um alpendre à cavaleiro da avenida, que dava acesso a uma capela, destinada à comunidade, mas aberta ao público  para as missas. No pátio, todo acidentado, mas bem arrumado, havia pitangueiras, abacateiros, mangueiras, limoeiros e uma piscininha que não dava para nadar, mas dava para refrescar o corpo nos dias quentes do verão.
Filas:
Buscávamos e levávamos os alunos em fila, como fazia São José de Calasanz em suas primeiras Escolas Pias. Os pontos eram: Itajubá com Contorno, Tocantins-Raul Mendes-Flávio dos Santos-Silviano Brandão, e Praça Negrão de Lima... Todos perguntavam: “Para onde vão esses “padrecos” novinhos com essas “pencas” de pivetinhos?” Passando na frente do Colégio São José, lá estava, olhando da janela, diária e indefectivelmente, a famosa Madre Carmen. Por causa do véu do hábito, que terminava numa espécie de “tubo”, seu rosto encarquilhado parecia emergir do “túnel do tempo”, pois era bem idosa e, como na época  não havia televisão, entretinha-se olhando esse espetáculo inusitado, que ninguém entendia.
GINÁSIO SÃO MIGUEL ARCANJO:
Em 1953, o Ministério da Educação autorizou o funcionamento da 1ª série do Ginásio, sendo diretor o Pe.Vicente Nuin e secretário o Pe. Pedro Cenoz Senosiáin. Tocantins, 499 estava ficando apertado. Como  comprar um terreno sem dinheiro?
O SÃO MIGUEL GANHA UM TERRENO:
Por intermédio do Dr. Valdemar Lopes, conseguiu-se um terreno no Nova Floresta, urbanização da Fazenda da Família Silveira. Como a família Werneck vendeu o terreno da Av. Tocantis, para a construção do “Palácio do Rádio, em 1958, nossa comunidade se aperta na casa do capelão da Cidade Ozanã e, a partir de 60, em meia sala (28 metros quadrados) para dormitório, meia sala para biblioteca, servindo-se de “quartinho” debaixo da escada do refeitório. Uma sala inteira era capela dos alunos, outra, secretaria e parte administrativa, sobrando cinco salas para as atividades escolares. As salas eram ocupadas por alunos do ginásio e do curso de admissão. O terreno era protegido por uma cerca viva de “unha de gato”, as ruas não eram calçadas, nossa clientela era pobre (Bairro da Graça, Concórdia, Ozanã, São Paulo, Aarão Reis, Renascença, basicamente.) Aliás, o Ginásio funcionou, durante a construção, no lactário do Renascença, cedido gratuitamente pelo Pe. Pedro Gontijo, em troca da ajuda pastoral (missas, confissões, semana santa etc.). Nessa época, o Pe. Jésus Perea veio transferido de Valadares.
Obs.: O terreno, foi um “presente caríssimo”, pois até o ano letivo 97, ainda havia bolsistas da família Silveira no Colégio. Quem ganha com as grandes urbanizações que envolvem “doações” para igrejas (São Judas) e escolas (São Miguel e Madre Paulina-Magnum) é sempre o dono da urbanização, que vê seus lotes valorizados com igrejas, praças e escolas.
Em julho de 1958, o Pe. José Goyena foi nomeado Reitor do São Miguel e, em 1960: Ildefonso Alvim, 131 (depois 501), o colégio começa a funcionar no novo prédio.
Ao longo de 1963 foi construída a arquibancada do campo de futebol do São Miguel. O aspecto do ginásio melhorou com a grama do jardim lateral.  Colocou-se a porta de entrada e marmorite na escada e no corredor do andar superior.
Destaques de 1964: o Padre Eduardo frequenta duas faculdades: a Católica e a B. Horizonte; o Padre Pedro Cenoz, após ingentes esforços, consegue a escritura do terreno do Ginásio São Miguel.
Importante: Antes de mandarem o Pe.Gregório a Valadares é bom lembrar que ele comprou para o São Miguel um “ônibus- calhambeque” que andava resfolegando e “cuspindo peças”, mas que chegava ao Colégio com os alunos vivos e inteiros.
No início de outubro do ano de 1965, no dia 5 exatamente, a comunidade do São Miguel aprovava, por 4 votos a 1,  financiar o “encascalhamento” da rua Ildefonso Alvim, na frente do Colégio. A Prefeitura promete calçar, mas ninguém confia em promessa de político. Custo previsto: Cr. 200.000.
Pe. Alberto Tellechea
Escolápio
Ao longo de todos esses anos, o Colégio São Miguel Arcanjo foi escrevendo sua história. História esta cheia de erros e acertos, de vitórias e derrotas, cheia de esforços e esperanças, acreditando sempre que “Educar é libertar”.
Atualmente, o colégio atende cerca de 1.030 alunos e conta com aproximadamente 105 funcionários.
No Colégio São Miguel Arcanjo, o aluno recebe educação personalizada que o capacita a ocupar com competência e espírito crítico seu lugar na sociedade.

Boletim: Escolápios Brasil

Jornal 2014

ArcanJornal

Edição

ArcanJornal Maio 2014

Obras Sociais

Itaka Escolapios

Contato

Fale Conosco